Compartilhe

Se localizando no mundo Ágil: entenda os métodos e modelos de trabalho

Agilidade é um tema quente no mundo da gestão do trabalho e tem penetrado o mercado em todos os setores da economia. Logo, se você ainda não esbarrou com o tema, muito provavelmente o “Movimento Ágil” baterá na sua porta em breve.O propósito deste post é lhe situar no espaço diante da sopa de letrinhas e conceitos que invadiram as empresas e que trouxeram, além de melhorias, também muita confusão.

Um dos motivos pelos quais digo que há confusão acompanhada da temática Ágil é que ainda hoje não existe um consenso na comunidade sobre a definição do termo.

Quando as pessoas são perguntadas sobre o que é Ágil, as respostas variam de “estar preparado para mudança” até “ter uma empresa sem gerentes” e nenhuma destas assertivas representa, para mim, o conceito.

Os sintomas desta confusão latente se veem nas ambíguas atuações dos agentes de mudança nas organizações; na variedade de títulos e job descriptions que vemos nos anúncios de vagas; na equiparação de métodos com a filosofia; nas “transformações ágeis” precipitadas, dentre outras.

Vamos tentar esclarecer e definir alguns limites então:

O Ágil

A forma mais direta para dizer o que é Ágil é falar em que ele se apoia: o Manifesto Ágil.

Elaborado em 2001, o Manifesto Ágil foi o resultado de uma convenção entre 17 programadores que buscavam melhores meios de realizar seu trabalho.

Da experiência acumulada dos participantes deste encontro, foram abstraídos 4 valores e 12 princípios que, para eles, representavam uma forma de pensar mais adequada ao desenvolvimento de software, frente aos paradigmas de gestão oficialmente vigentes até então.

Nasce oficialmente o Ágil, a partir do Manifesto, como uma alternativa melhor ao que rotularam, então, de Desenvolvimento Tradicional, que representa outro conjunto de valores, métodos e práticas, vigentes na época e que coexistem até hoje.

Como exemplo desta oposição dos paradigmas de gestão Ágil e Tradicional, podemos citar o segundo valor do Manifesto Ágil: “Software em funcionamento mais que documentação abrangente”.

É possível ver que a ideia Ágil passa a valorizar entregas parciais de software, adiantadas, mais que uma exagerada documentação que seria fruto de um planejamento extenso da forma de pensar tradicional.

Os métodos e framework ágeis

Ágil, portanto, é um conjunto de valores e princípios que representam um paradigma para a condução dos trabalhos, originalmente o desenvolvimento de software.

Já os métodos e frameworks, por sua vez, são aquelas aplicações que buscam endereçar o paradigma Ágil prescrevendo papéis e práticas.

Vamos tomar como exemplo o framework mais conhecido da agilidade, o Scrum. Ele prescreve um conjunto de 3 papéis, 4 cerimônias e 3 artefatos que, segundo o autor, dariam as condições para se beneficiar das intenções do Manifesto Ágil.

A “Sprint” ideal, por exemplo, seria um tempo fixo e pequeno no qual trabalhariam os 3 papéis do Scrum juntamente com o cliente (Indivíduos e interação entre eles; colaboração com o cliente), para construir uma entrega pequena e útil (software em funcionamento), replanejando a cada nova Sprint (responder à mudanças).

O “XP, eXtreme Programming”, é outro exemplo popular de método que busca aplicar a “filosofia” Ágil, sobre o qual falaremos com mais detalhes em outra oportunidade.

O movimento Ágil

Com a popularização do Ágil no desenvolvimento de software e setores fora de TI, o conceito se tornou um movimento. Novos conceitos, ferramentas, práticas e técnicas, nasceram inspirados no Ágil.

Outros foram incorporados posteriormente. Alguns ainda ganharam o título Ágil mesmo sem a pretensão de sê-lo. O movimento é algo vivo, sem forma ou periferia definida, que ganhou vida própria e que não tem um controle oficial.

São vários os exemplos: Design Thinking; Canvas de todos os tipos; Análise Sistêmica; Conceitos de motivação do profissional do conhecimento baseada em fatores intrínsecos; estruturas hierárquicas achatadas; Técnicas de Aprendizado; etc.

Todos são considerados, por parte ou por toda a comunidade, como itens de essência Ágil.

E o Kanban ?

Ao listar os métodos Ágeis atuantes no mercado, o Kanban sempre aparece como um item da lista, apesar do seu autor, David Anderson, já ter dito explicitamente que não é um conceito de natureza Ágil e apesar da comunidade Kanban manter tudo realmente separado.

Há agendas compartilhadas entre Ágil e Kanban, mas os membros mais atuantes deste último o colocam como uma via alternativa ao primeiro, quando não uma via mais apropriada na linha de melhorias evolucionárias.

Falaremos mais sobre isso em breve.

Em resumo: Ágil tem base no Manifesto Ágil e aquele que usa Ágil busca tomar decisões no dia a dia usando os valores e princípios deste novo paradigma de gestão do trabalho.

Há métodos e frameworks, como o Scrum, que são considerados ágeis e que trazem instrumentação para possibilitar atingir os benefícios pretendidos pela Filosofia Ágil.

E, por fim, analisamos a existência de uma espécie de Movimento Ágil que é maior que o próprio Manifesto e que acaba por englobar de forma subjacente novos conceitos e práticas na medida em que estes aparecem no mercado e quando sua aplicação colabora com alguma das intenções da Agilidade.

A Olivas Digital é especialista no desenvolvimento de ferramentas focadas em trazer mais resultados aos negócios da empresa. Conheça nossos trabalhos.

Nos próximos posts podemos mergulhar na definição dos termos aqui apresentados. Agora, contudo, você já tem um cenário mais delimitado para entender por onde vamos começar.

Veja também: Quem é Ágil?

Rafael Ferreira Buzon é certificado CSM – Certified Scrum Master e PMP – Project Management Professional; tem extensão em Gestão de Marketing, Gestão de Pessoas e Gestão de Projetos pela FGV; é Agile Coach e Consultor de Projetos de TI há 8 anos e é formado em Sistemas de Informação pela UNESP; Já trabalhou em consultorias em Tecnologia para Educação, Inovação, Portais colaborativos, Gestão do conhecimento, Indústria Publicitária, Editorial e E-commerce.
Tem se dedicado aos frameworks, conceitos e técnicas ágeis, especialmente o Scrum e o Método Kanban. Presta consultoria às empresas na adoção e melhorias de seus processos usando conceitos adaptativos de trabalho.